Arquivo da tag: Educação

Limites da vaidade infantil

É indiscutível que as crianças contemporâneas são bastantes diferentes das crianças de 5,10 anos atrás ,essas nasceram numa sociedade bombardeada de tecnologia,informação e consumo  modificando diversos hábitos. Mas o que chama mais atenção é a vaidade precoce na infância ,escolher uma roupa bonita para ir à festinha, passar batom, usar perfume: a vaidade pode se manifestar desde muito cedo na vida das crianças. Quando praticada com moderação, ela é muito saudável, pois ajuda a construir a boa autoestima dos pequenos. “Na medida certa, a vaidade é benéfica e necessária, pois funciona como uma motivação: estimula a criança a querer ser admirada”, explica a educadora Marta Campos, coordenadora de apoio pedagógico da Escola Viva, de São Paulo.

minimiss

O problema é quando a preocupação com a vaidade se torna excessiva, colocando em risco o desenvolvimento físico e psicológico dos filhos. É o caso das crianças que usam sapatos com salto alto ou roupas que as deixam parecidas com mini-adultos. Também é o caso daquelas que são incentivadas a valorizar apenas o que é “de marca” ou o que custa muito caro. Vai nessa linha a polêmica sobre os limites que os pais devem ter para “embelezar “ os filhos, muitas vezes escravizando-os a padrões de beleza despropositais, ou mesmo tentando enquadrá-los às preferências que tem mais a ver com o mundo adulto. De repente o mundo todo diz que bonito é ter cabelo liso e, só porque sua filha não tem, e a sua cabeleireira garante que a nova escova progressiva não faz mal, tudo bem submetê-la ao procedimento? Moldar uma criança pra ser escrava da opinião alheia é transformá-la em adulto inseguro e com baixa auto-estima.

Mini-miss

imagemnobrasil

Quem assistiu ao filme pequena miss sunshine lembra das aventuras da pequena Olive para que a pequena participasse do concurso de beleza infantil , crítica a tais eventos o filme mostra nas cenas finais o qual o processo de ‘adultização’ precoce das crianças é preocupante ,principalmente nos Estados unidos onde as crianças se submetem a tratamentos estéticos radicais como bronzeamento artificial, próteses dentárias e capilar. Pra quem acompanha a programação do canal pago  TLC  já deve  ter se deparado com os programas Toodles and Tiara e Honey boo boo que mostram o universo que beiram ao bizarro desses concursos.

Aos poucos esses concursos vem crescendo no Brasil ,ao contrário dos concursos americanos , as candidatas a minimisses querem “a” coroa. Claro que muitas também desejam ser modelo ou atriz e veem a competição como, digamos, começo. No concurso brasileiro não há prêmio em dinheiro, nem garantia de algum tipo de contrato. O cenário não é tão exagerado quanto o dos concursos norte-americanos. Concursos infantis de beleza sempre provocam discussões (e, claro, opiniões e julgamentos por parte de todos nós): por que meninas tão jovens querem ser misses? É vontade delas ou das mães? Participar de disputas como essas atrapalha a relação delas com a vaidade e a beleza? Se é difícil para um adulto, imagine para uma criança. Com certeza há impacto na construção da identidade e da autoestima. De que maneira vai depender de muitos fatores.

1322583463_toddlers-tiaras-240

E os meninos? Com as mudanças nos papéis entre os gêneros, há um aumento da vaidade masculina. Eles valorizam mais um corpo bem torneado, estilos de cabelo e roupas. Mas ainda é díficil detectar excessos. Essa mudança na maneira de encarar a vaidade dos meninos geralmente envolve uma cobrança para que se cuidem. A palavra-chave é novamente o equilíbrio.

0118

O melhor jeito de ensinar é pelo exemplo. Se a mãe ou pai são extremamente vaidosos, podem reforçar esse comportamento nos filhos. Por isso, os pais devem saber dosar a preocupação com a vaidade e dar exemplos também da importância de outros valores como a inteligência, a honestidade, a humildade, etc. Mostrar que não é fundamental ter a roupa mais cara ou o carro da moda.

LEIA MAIS:

Por que meninas vestem rosa e meninos vestem azul?

manifestações no Brasil : uma oportunidade para ensinar política e cidadania para crianças

vila

Nos últimos dias o Brasil foi tomado por uma onda  de manifestações contra o aumento da passagem que serviu de estopim para    a cobrança de outras reivindicações pedentes no país como a corrupção e a falta de investimentos na saúde,educação…  semelhante ao que vem ocorrendo em outros países ( primavera árabe,ocuppy wall street , ocuppy gezy na turquia) o Brasil sai as ruas. mas o que você deve estar se perguntando o que as crianças tem a ver com isso ? eu lhe digo tudo ! não só pelo fato que elas poderão ter usofruto das conquistas dessas manifestações (é sempre bom lembrar que nada venho de mão beijada tudo foi fruto de muita luta)  mas o fato de aprenderem desde cedo o seu papel como cidadã. Em 2009 o escritor rubem Alves lançou um livro sobre esse assunto especialmente dedicado as crianças cujo disponibilizo logo abaixo e a íntegra nesse LINK :

 

”IMAGINO QUE AS crianças devam ficar muito confusas com as notícias da política. Resolvi, então, preparar um pequena cartilha que as ajudará a entender essa coisa misteriosa que é o centro da vida nacional e que, por vezes, quando convém aparece e quando não convém, desaparece… 1. Somos uma democracia. A democracia é o melhor sistema político. É o melhor porque nele, ao contrário das ditaduras, é o povo que toma as decisões;
2. Em Atenas, berço da democracia, era fácil consultar a vontade do povo. Os cidadãos se reuniam numa praça e tomavam as decisões pelo voto. Mas no Brasil são milhares de cidades, espalhadas por milhares de quilômetros e os cidadãos são milhões. Não podemos fazer uma democracia como a de Atenas. Esse problema foi resolvido de forma engenhosa: os cidadãos, milhões, escolhem por meio de votos uns poucos que irão representá-los. O Congresso é a nossa Atenas…;
3. Os representantes do povo, eleitos pelos votos dos cidadãos -vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores, presidente-, são pessoas que abriram mão dos seus interesses e passaram a cuidar dos interesses do povo;
4. É assim que dizem as teorias. Na prática, não é bem assim…;
5. No Brasil, são muitos os partidos que, no frigir dos ovos, se reduzem a dois: o partido das raposas e o partido das galinhas;
6. As raposas, devotas de São Francisco, sabem que é dando que se recebe. Assim, movidas por esse ideal espiritual, elas dão milho para as galinhas…;
7. As galinhas acreditam nas boas intenções das raposas e tomam esse gesto de dar milho como expressão de amizade. A abundância do milho as faz confiar nas raposas. E, como expressão da sua confiança nascida do milho, elas elegem as raposas como suas representantes. Assim, na democracia brasileira, as raposas representam as galinhas;
8. Eleitas por voto democrático, às raposas é dado o direito de fazer as leis que regerão a vida das galinhas e das raposas…;
9. As leis que regem o comportamento das raposas não são as mesmas das galinhas. Sendo representantes do povo, precisam de proteção especial. Essa proteção tem o nome de “privilégios”, isto é, leis que se aplicam só a elas;
10. Privilégio é assim: raposa julga galinha. Mas galinha não julga raposa. Raposa julga raposa. Logo, raposa absolve raposa;
11. “Todos os cidadãos são livres e têm o direito de exercer a sua liberdade.” As galinhas são livres para serem vegetarianas e têm o direito de comer milho. As raposas são carnívoras e livres para comer galinhas;
12. A vontade das galinhas, ainda que de todas elas, não tem valia. Vontade de galinha solitária só serve para escolher suas representantes;
13. Permanece a sabedoria secular de Santo Agostinho, aqui em linguagem brasileira: “Tudo começa com uma quadrilha de tipos fora da lei, criminosos, ladrões, corruptos, doleiros, burladores do fisco, mafiosos, mentirosos, traficantes. Se essa quadrilha de criminosos se expande, aumenta em número, toma posse de lugares, de cargos, de ministérios, da presidência de empresas e fica poderosa ao ponto de dominar e intimidar os cidadãos -e estabelecendo suas leis sobre como repartir a corrupção-, ela deixa de ser chamada quadrilha e passa a ser chamada de Estado. Não por ter-se tornado justa, mas porque aos seus crimes se agregou a impunidade”.
14.Portanto, galinhas do Brasil! Acordai! Uni-vos contra as raposas! ”

Além disso , no site http://www.plenarinho.gov.br/ você encontra um dicionário de termos relacionados com política e cidadania para crianças, além de reportagens sobre eleições e outros temas, tudo na linguagem infantil! Emhttp://imagem.camara.gov.br/internet/midias/Plen/swf/revistaAnimada/projeto_eleitoral_mirim/revista.swfvocê encontra uma cartilha infantil com 38 páginas sobre eleições elaborada pela equipe do Portal Plenarinho, que está desenvolvendo um projeto piloto em cinco escolas brasileiras, o projeto Eleitor Mirim. Confira!
 No site http://picasaweb.google.com/sandygsoares/VOCSABIAELEIES# tem um gibi da Turma da Mônica com história e passatempos sobre eleições.

e para quem quer aproveitar a hora da leitura com as crianças para abordar esse assunto sugiro os seguintes livros;

       A praça é do povo Coleção O Futuro cidadão
Este livro traz explicações, de maneira clara e didática, sobre características do que é público e do que é privado. Pelas relações apresentadas no livro, as crianças podem entender sobre assuntos de grande importância para o seu futuro. São destacadas as atividades do cotidiano para melhor esclarecer as diferenças entre como lidar com o público e o privado.
Autor e ilustrador: Newton Foot
Assuntos: vida em sociedade, política.
Preço: R$ 19,90 24 páginas
Onde encontrar: www.escalaeducacional.com.br – 0800 772 2120

 

É o maior !

A bicharada está na maior campanha eleitoral que vai decidir quem É O MAIOR. Todos os candidatos têm o mesmo espaço para se apresentar e as mesmas chances de provar que merecem o seu voto. Nessa eleição, qualquer um pode ser o maior em alguma coisa: o maior comilão, o mais inteligente, o maior palhaço, o mais alto, o mais chato, o melhor amigo. Neste livro, o leitor vira eleitor e solta os bichos!
Autor e ilustrador: Guto Lins
Assuntos: pluralidade cultural, meio ambiente, diferenças.
Preço: R$ 22,90 32 páginas
Onde encontrar: www.larousse.com.br – 0800 772 2120

 

LEIA TAMBÉM :

Vai pra rua menino! Os beneficíos de brincar ao ar livre

Recife para crianças : conheças os parques da cidade

Exposições em Recife : programação janeiro/fevereiro

 

espaço cultural

Rio São Francisco Navegado

A montagem de caráter cultural-educativo inclui 15 ambientes com arte contemporânea, ilustrações, vídeos, instalações interativas e roupas e tem como objetivo levar ao público um pouco da riqueza do São Francisco a partir do olhar particular do estilista Ronaldo Fraga.
Horário – De terça a domingo, das 13h às 20h.
Em cartaz até 7 de fevereiro
Local – Santander Cultural
Endereço – Av. Rio Branco, 23 – Bairro do Recife- Recife
Ingressos – Entrada Gratuita
Contato – 3224.1110

 

espaço cultural

Gil Vicente: Estudos e Rabiscos

A mostra Gil Vicente: Estudos e Rabiscos, que tem curadoria de Bruna Pedrosa, conta por meio das imagens o universo desse artista consagrado.
Horário – Terça a sexta, das 9h às 17h.
Sábados e domingos das 13 às 17h.
Em cartaz até 10 de março de 2013
Local – Museu Murilo La Grecca
Endereço – Rua Leonardo Bezerra Cavalcanti – Paranamirim- Recife
Ingressos – Entrada gratuita
Contato – 366

espaço cultural

Dudu Schnaider

São mais de 20 obras em grandes formatos impressas em série limitada em tipos de impressão, inclusive com opção em papel 100% algodão, imprescindível para uma apresentação fine art.
Horário – Das 9h às 22h
Em cartaz até fevereiro
Local – RioMar
Endereço – Avenida República do Líbano, 251 – Pina- Recife
Ingressos – Entrada Gratuita

Maracatu Rural – A magia dos Canaviais

A história, os personagens, o ritmo, o território, os mitos e os sincretismos religiosos dos maracatus rurais estão reunidos na exposição. A mostra conta com fotografias, documentos históricos, vídeos, áudios, indumentárias, adereços, textos e livros. A arquitetura será distribuída em painéis, telas de led e objetos de ambientação criados especialmente para a exposição. Essa é a primeira vez que se realiza uma exposição exclusiva sobre tema no Brasil.
A coordenação artística e curadoria são de Afonso Oliveira. O projeto é da Designer Carla Gama com textos dos professores Severino Vicente e Valéria Vicente e fotos de Afonso Oliveira, Ederlan Fábio, Hans Von Manteuffel e Fred Jordão. As fotos são de Afonso Oliveira, Ederlan Fábio, Hans Von Manteuffel e Fred Jordão.
Horário – O horário de visitação é das 9h às 18h, de segunda a sexta-feira e nos sábados e domingos das 12h às 18h.
Em cartaz até De 28 de dezembro de 2012 a 10 de março de 2013
Local – Centro Cultural Correios
Endereço – Av. Marquês de Olinda, 262 – Bairro do Recife- Recife
Ingressos – A entrada é franca
Contato – (81) 3224-5739 3425.3516

Shiko

Autor de histórias em quadrinhos e grafiteiro, Shiko (PB) mostra telas, aquarelas e desenhos feitos nos últimos anos.
Em cartaz até estreia 6 de janeiro
Local – A Casa do Cachorro Preto
Endereço – Rua 13 de Maio, 99 – Carmo- Olinda
Ingressos – Aberta ao público

Carnaval de rua

As imagens são do fotógrafo Fred Jordão, que registrou o que há de mais tradicional da folia do Estado numa tentativa de chamar a atenção do público para uma maior valorização.
Horário – Terça a sexta, das 13h às 19h;
Sábados e domingos, das 16h às 20h;
Em cartaz até 31 de janeiro
Local – Arte Plural Galeria
Endereço – Rua da Moeda, 140 – Bairro do Recife- Recife
Ingressos – Entrada franca
Contato – 3424.4431

LEIA TAMBÉM:

Recife para crianças: Um domingo no Recife Antigo

Exposição de arte: educação e diversão para crianças e adultos

Como estimular a visita de museus históricos em crianças

Arte também é diversão: 5 pintores pra apresentar a criançada

Arte também é diversão : 5 pintores pra apresentar á criançada

7659848674_8b797bea5f_c

Muitos vêem a arte como um universo sisudo ,elitista e principalmente separatista. Mas ao contrário que muitos pensam a arte faz parte do nosso cotidiano e principalmente é íntrisico ao ser humano ,e é nessa tentativa de desmistificar e principalmente desbravar   esse universo s é que esse post apresenta 3 artistas cujas obras se aproximam de alguma maneira do universo infantil  e quão divertido é aprender sobre a história da arte.

Leia mais:

Exposição de arte: educação e diversão para crianças e adultos

Como estimular a visita de museus históricos em crianças

1. Tarsila do Amaral – cores e lendas brasileiras

EFCB50

Pintora ,desenhista e uma das principais representantes do movimento modernista brasileiro em meio à uma viagem de “redescoberta do Brasil”  com o poeta franco-suíço Blaise Cendrars, Tarsila iniciou sua fase artística “Pau-Brasil”, dotada de cores e temas acentuadamente tropicais e brasileiros, onde surgem os “bichos nacionais”(mencionados em poema por Carlos Drummond de Andrade), a exuberância da fauna e da flora brasileira, as máquinas, trilhos, símbolos da modernidade urbana.

Por que as crianças vão gostar?

Nos seus quadros cheio de cores e formas diferentes são retratados diversas lendas brasileiras ( a cuca por exemplo) é uma ótima oportunidade de contar essas estórias para criançada.

mais informações:

site oficial da tarsila AQUI  tem uma sessão especial cheia de atividades para a criançada

2. Portinari : Brincadeiras de criança

i315896

Portinari pintou quase cinco mil obras (de pequenos esboços e pinturas de proporções padrão, como O Lavrador de Café, até gigantescos murais, como os painéis Guerra e Paz, presenteados à sede da ONU em Nova Iorque em 1956, e que, em dezembro de 2010, graças aos esforços de seu filho, retornaram para exibição no Teatro Municipal doRio de Janeiro).Portinari é considerado um dos artistas mais prestigiados do Brasil e foi o pintor brasileiro a alcançar maior projeção internacional.

Por que as crianças vão gostar?

Em suas obras é possível encontrar muitos quadros relacionados à infância  quando ele retrata diversas brincadeiras tradicionais que tal dialogar com essas obras brincando de pipa,pião ,roda…

3. A geometria de Escher

artista gráfico holandês Escher gostava de brincar com formas geométricas e de iludir o espectador. o que nos faz sempre indagar o que realmente está representado na tela.

escher

Por que as crianças vão gostar?

A obra de escher é um prato cheio pra criançada .com ela podemos desenvolver atividades como origami inspirada na obra dele como podemos ver AQUI   ou aprender matemática de uma forma bem diveritda veja AQUI

4. O mundo onírico de Salvador Dalí

salvador_dali_a_persistencia_da_memoria

‘Se tem bigodes de foca
Nariz de tamanduá
-Parece meio estranho, heim!
Também um bico de pato
E um jeitão de sabiá…  é mais ou menos assim as obras desse importante pintor catalão conhecido por ser um dos representantes do movimento realista cuja principal característica é o elemento onírico ou seja se inspirava   no mundo criativo dos sonhos ,O trabalho de Dalí chama a atenção pela incrível combinação de imagens bizarras, com excelente qualidade plástica. para alguns a sua obra não faz nenhum sentido mas ninguém nega a sua inconfudível criatividade.

Por que as crianças vão gostar?

colocar num quadro os seus sonhos mais loucos é a coisa mais divertida imagina pra criança .estimule as crianças a fazer aomesmo usando colagens,diferentes materiais e pronto!

5. Pollock

Desenvolveu uma técnica de pintura,na qual respingava a tinta sobre suas imensas telas; os pingos escorriam formando traços harmoniosos e pareciam entrelaçar-se na superfície da tela. Pollock foi muito importante para o ‘dripping’; o quadro “UM” é um exemplo dessa técnica. Pintava com a tela colocada no chão para sentir-se dentro do quadro. Pollock parte do zero, do pingo de tinta que deixa cair na tela elabora uma obra de arte. Além de deixar de lado o cavalete, Pollock também não usa mais pincéis.

Por que as crianças vão gostar?

vão se identicar de cara com os garranchos que toda criança faz ,que tal usar a tinta  numa lata furada e reproduzir o mesmo efeito

DICAS:  Esses artistas é uma apenas uma sugestão que tal aproveitar alguma exposição de algum artista  que esteja acontecendo na sua cidade e fazer o mesmo ou pesquisar na internet ou livros e fazer atividades com outros artistas  seguem aqui alguns passos:

1. DescrevamPara tanto, oriente-as a olharem cuidadosamente a imagem, momento em que poderão identificar e interpretar detalhes visuais.
2. AnalisemPara estimular oas crianças a prestarem atenção na linguagem visual e nos mais variados elementos que a compõem (como cores, texturas, dimensões, materiais, suportes, técnicas, etc. ) , faça uma série de perguntas, para provocar a reflexão entre eles.
3. Interpretem A partir das ideias, interpretações, sentimentos e em oções das crianças, crie possibilidades pedagógicas para trabalhar a temática da imagem. Liste-as e eleja, ainda com a ajuda das crianças.. Mostre também outras manifestações visuais que tratam do mesmo tema e estimule-as a fazer comparações (entre cores, formas, linhas, texturas, organização espacial etc. ).
4. Fundamentem Junto as crianças , elabore uma lista com os aspectos que provocam curiosidade sobre a obra, o autor, o processo de criação, a época etc.
5. Revelem Diante das novidades, certamente as crianças estarão estimuladas a produzir. Aproveite a ocasião e dê a elas a chance de desenhar; experimentar representações em três dimensões ; investigar materiais plásticos, formas, cores, texturas e linhas, além de exercitar as habilidades de recorte, colagem, modelagem, pintura etc.

mais informações nestes sites :

http://www.historiadaarte.com.br

http://www.brasilescola.com

LEIA  TAMBÉM :

Inhotim : um museu de novidades

Castelo,arte e muita história conheça o instituto Ricardo Brennand

Apertem os cintos ! Crianças em casa … pintura a dedo

Um passeio no zoô

Quando você faz um passeio ao zoológico com seu filho, só pensa em conhecer uma grande variedade de animais selvagens? Saiba que é possível aproveitar muito mais dos zôos espalhados por todo o país! A maioria oferece atividades de educação ambiental, áreas verdes para conhecer a flora e fauna locais, e atividades de lazer bem variadas.

Não faz muito tempo, os zoológicos eram conhecidos como locais para a exibição de animais exóticos. Mas, nas últimas décadas, deixaram de ser apenas locais de diversão, para se tornarem centros de educação ambiental e pesquisa. Atualmente, os zoológicos são bastante conhecidos e respeitados por seu papel na conservação de muitas espécies, principalmente das ameaçadas de extinção.
Em uma visita ao zôo, você vai observar que até os recintos têm mudado. A tendência é que jaulas, viveiros e tanques percam as grades, ganhem mais isolamento acústico e espaço, além de tentarem reproduzir o hábitat natural do animal. Tudo isso para aumentar o bem-estar do animal e sensibilizar o visitante sobre comportamento e meio ambiente.

Apesar das mudanças, a maior parte do público espontâneo – aquele que vem sem o acompanhamento de educadores – continua visitando os zoológicos mais por lazer do que pelo aprendizado. Como pai, você pode procurar participar das atividades educativas oferecidas pelos funcionários do zôo, estimular seus filhos a lerem as placas informativas e discutir questões como a grande diversidade de animais no planeta e o respeito aos recursos naturais.

Quer saber como aproveitar ainda mais de um passeio ao zoológico com seus filhos? Leia as dicas abaixo!

  • Para não perder nenhuma das atividades oferecidas, você pode planejar o passeio acessando o site do local ou fazendo uma ligação. Também só com uma consulta prévia dá para saber se o zôo tem infra-estrutura para receber portadores de necessidades especiais. Além disso, vale a pena adquirir um mapa assim que chegar, no Centro de Visitantes, para planejar um roteiro de passeio que inclua as atividades que você e seu filho mais querem conhecer.
  • O lazer é muito importante. É legal os pais terem a oportunidade de passarem um dia agradável com seus filhos, em meio à correria de costume. Muitos zoológicos possuem áreas arborizadas para caminhar e para fazer piquenique. Aproveite para convidar mais gente da família!
  • Os bichos não estão no zoológico para fazer piruetas. Eles estão ali para gerar discussões a respeito do seu comportamento e habitat. O contato ajuda a criar empatia com os animais. Estimula o respeito a todos os seres vivos, inclusive daqueles que muitas vezes geram nojo ou medo, como cobras, sapos, aranhas, insetos e morcegos. É importante explicar aos seus filhos que todos os animais têm uma função especial na natureza.
  • A fauna brasileira é uma das maiores do planeta. Nosso país tem diversos biomas e por isso há tantos animais diferentes. Arara-azul, tamanduá-bandeira, cachorro-vinagre, onça-pintada são alguns animais que podem ser encontrados nos zoológicos. Não importa se você vive na cidade ou em alguma área rural. Há diversos animais que podem ser encontrados livres na natureza, em regiões próximas à sua casa. Além disso, muitos deles estão em risco de extinção e são raros de avistar. É legal aproximar as crianças dessas questões, que envolvem o meio ambiente onde vivem.
  • Os espaços abertos ou com poucas grades, como lagos e os recintos dos grandes herbívoros, costumam virar depósito de lixo. Explique para seu filho que esse descuido, além de tornar o ambiente muito feio, prejudica os animais, que podem ingerir embalagens e restos de comida. Todos os bichos têm hábitos alimentares muito específicos e a comida distribuída é controlada por especialistas. Comida humana pode fazer muito mal aos animais. Em uma visita ao zoológico, aproveite para mostrar ao seu filho o trabalho dos tratadores, que ao longo do dia visitam os recintos para alimentar os animais. Além disso, cuidado com o barulho e com os flashes das máquinas fotográficas! Peça para as crianças não gritarem ou baterem nos vidros e grades, e evite bater fotos com flash. A luz e o ruído em excesso incomodam e afugentam os animais.
  • Quando você e seu filho observam a forma como os animais vivem, dá para conversar sobre as ameaças que sofrem com a destruição da natureza e a importância de se preservar os ambientes naturais para que eles possam viver em liberdade. Além disso, é importante falar sobre preservação de recursos naturais e resíduos sólidos. Tente se informar se o zoológico é envolvido nessas questões. No Jardim Zoológico de Brasília, por exemplo, os dejetos animais vão para uma composteira. Já no zôo de São Paulo, o lixo é reciclado e toda a água usada é tratada e reaproveitada nos lagos e tanques. Todos esses assuntos também podem ser associados ao dia-a-dia do seu filho. Reciclar e economizar água e energia em casa são os primeiros passos para evitar a degradação de mais áreas naturais, e a destruição do habitat de vários animais que encontramos no zoológico.
  • Os profissionais do zoológico podem ajudar a tornar o seu passeio muito mais educativo e prazeroso. Não fique com vergonha de procurar orientação e de fazer perguntas. Essa participação estimula os filhos. Os especialistas podem tirar dúvidas e revelar muitas curiosidades sobre os animais. Além disso, muitos zoológicos oferecem espaços dedicados a temas específicos, de grande importância educativa. No Zoológico de São Paulo (SP), por exemplo, há um espaço indígena, onde se explora a relação sustentável que o índio tem com a natureza. Em Belém (PA), é possível conhecer o patrimônio arquitetônico dos prédios do primeiro Parque Zoobotânico do país, no Museu Paraense Emílio Goeldi Goeldi. Há outros que são associados a jardins botânicos ou áreas de mata nativa, como é o caso da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (MG) e do Parque Zoológico Municipal Quinzinho de Barros, em Sorocaba (SP). Com isso, além de conhecer a fauna, você tem a oportunidade de fazer trilhas ecológicas, passear por jardins temáticos, e conhecer mais sobre a flora local ou de outras partes do mundo.
  • Zoológico não é um passeio para se fazer uma vez na vida. Crie o hábito de revisitar o zôo, ou de conhecer outros em suas viagens. Eles sempre têm novidades! Seja um filhote que acabou de nascer, seja animais recém-doados.
  • Converse com seus filhos sobre o que vocês viram durante o passeio. Reveja as fotos e vídeos feitos, mostre livros e filmes onde os animais do zoológico apareçam.

 

LEIA MAIS:

A praça é sua. Ocupe-a!

Vai pra rua menino! Os beneficíos de brincar ao ar livre

10 Brincadeiras ao Ar livre para crianças menores de 1 ano – Parte I

10 Brincadeiras ao Ar livre para crianças menores de 1 ano – Parte II

Coisas que só acontecem na casa da vovó

Como fazer um piquenique perfeito

É dia de feira!

Bom dia todas as cores!

Publicado pela primeira vez em 1976, é uma das minhas histórias infantis  favoritos pois foi a partir dele durante a minha alfabetização que despertou a minha paixão pelos livros isso por sua  qualidade lírica e pela simplicidade de sua escrita. Ao utilizar-se de um Camaleão para trabalhar com cores a autora fora muito feliz, produzindo um texto que explora o variar de cores do réptil (e lhe atribuindo cores que não são vistas no mundo real, inclusive duas cores ao mesmo tempo) de maneira lúdica e de fácil compreensão. Logo na primeira estrofe do conto Ruth nos determina o que é o Camaleão: nosso amigo. Este detalhe traz um certo ar de humanidade ao personagem, criando um laço simples com a história. Na estrofe seguinte, ao dizer que “o camaleão mudou sua cor para cor-de-rosa, que ele achava a mais bonita de todas”, fica implícita uma questão de gênero interessante de ser trabalhada. O Autor deste artigo é docente na educação infantil e encontra-se no dever de relatar um fato acontecido quando o contar do texto encontrava-se no parágrafo descrito acima. Um menino de 5 anos questionou que “se ele é um camaleão menino, deveria gostar de azul, não de rosa, que é cor de menina”. Trabalhou-se posteriormente com as crianças da sala o que seriam coisas de menino e de menina, e percebeu-se que desde muito cedo as crianças estão sendo doutrinadas a aceitar um estereótipo do gênero. Baseado neste pensamento, o autor, possuidor de uma camiseta rosa com temática da Pedagogia, resolvera experiênciar o que se sucederia ao quebrar o paradigma dominante de gênero. A cena fora mais que tragédia: o menino que relatara ser cor-de-rosa cor feminina ao ver o professor com uma camiseta rosa imediatamente exclamou: “o professor virou menina!” ao que fora então questionado se o professor havia perdido traços físicos masculinos, como a barba, os pêlos nas pernas e o tom de voz. A resposta fora igualmente cômica: “não perdeu mas vai perder”.
É perceptível que a autora tenha deixado esta frase de propósito. O Trabalho com gênero na educação infantil constitui-se de importância grande, tanto quanto a autonomia e a afetividade. Mas embora os professores da EI tentem fazer com que se produzam novas compreensões de gênero por parte das crianças há uma resistência muito grande dos pais a qualquer comportamento considerado inadequado para o gênero. Um menino não pode brincar de boneca e uma menina não pode brincar de carrinho; se brinca, há algo errado, se são estimulados a brincar, reagem dizendo que não são coisas de seu gênero.

Na página seguinte (07) a frase “quero ser bonzinho para todo mundo” também traz um contexto de interpretações grande. Ao ler pela primeira vez, o autor deduziu que nem sempre o camaleão era bom; algumas vezes poderia agir maleficamente, outras com bondade. Relendo o texto percebe-se que a noção de bondade que se perpetua nele é a de que é bom quem faz tudo o que os outros querem – noção esta asseverada nas páginas 10, 14 e 18, páginas em que o camaleão troca de cor ao ser questionado. Se a autora não tivesse conhecimento pedagógico e soubesse ser este um problema muito comum na juventude (pensar por si mesmo, tomar as próprias decisões, não se deixar influenciar) teria parido uma das piores histórias para a infância… pelo contrário, ela desenrola boas frases no porvir literário:

…por mais que a gente se esforce, não consegue agradar a todos. Alguns gostam de farofa. Outros preferem farelo…

construindo assim um final que assevera a autonomia da criança, o dizer não como expor a sua própria opinião, expor suas ideias e fazer o que lhe convém (página 35 do livro). Um final simples mas que contrasta com tudo o que o camaleão fez durante o conto, em que estava subjugando-se ao gosto dos amigos em detrimento à usar a cor que achava a mais linda do mundo. Percebe-se também que o final deixa subentendido que o camaleão não sabia dizer não conscientemente, pois na frase “bastava que alguém falasse, mudava de opinião” fica claro a influência da opinião do outro, o que contrasta com a frase “eu gosto dos bons conselhos, mas faço o que me convém” na qual se divisaria uma ponta de julgamento antes de se aceitar a opinião do outro.
O Professor tem muito o que explorar neste conto, como o gênero, a autonomia e algumas frases que durante o texto podem suscitar comentários, como “você devia fazer o que a natureza ensina” (pg. 17), que é uma boa deixa para trabalhar com a natureza e “porquê você não usa uma cor mais avançada?” para trabalhar o velho e o novo. Um bom conto, sem muitos detalhes a nos entristecer, e que tem boa repercussão entre os educadores.

LEIA TAMBÉM:

Sim!Livrarias também é lugar de diversão!

25 Clássicos da literatura infantil brasileira

Estante: Como nasceram as estrelas de Clarice Lispector

4 dicas super criativa para organizar os livros da criançada

 Livros para bebê: veja o livro certo para cada fase

Roteiro na Jaqueira

Recife para Crianças: Um domingo no Recife Antigo

10 Brincadeiras ao ar livre para bebês menores de 1 ano – Parte II

Vá de bike!

Mais que um objeto de lazer, a bicicleta se tornou um meio de transporte, um veículo para ficar em forma e respeitar o meio ambiente a No entanto  poucos quilômetros de ciclovias, o perigo e o desrespeito com o ciclista são empecilhos para que a modalidade se desenvolva integralmente. Muita gente ainda não se conscientizou de que a bicicleta é um veículo de propulsão humana e tem seu direito assegurado por lei nas vias públicas.

Felizmente, algumas iniciativas pontuais têm surgido no sentido de facilitar a vida dos ciclistas. Ao contrário das ciclovias, esse tipo de iniciativa prevê o uso de uma das faixas das ruas e avenidas para trânsito exclusivo das bikes em dias e horários determinados. O que ainda é pouco para a demanda crescente por esse tipo de locomoção.

A iniciativa privada também tem dado sua colaboração para aliviar o caos da vida urbana. Nada que se compare ao que já existe em outros países da Europa (veja o quadro O Mundo sobre Duas Rodas), mas não dá para negar que qualquer movimento nesse sentido demonstra uma mudança de mentalidade em relação ao assunto. Um bom exemplo é o da Seguradora Porto Seguro, que idealizou alguns serviços com o objetivo de multiplicar ações socialmente responsáveis e estimular o transporte sobre duas rodas. Um deles é o Bike Serviços que encaminha funcionários de bicicleta para atender aos chamados de panes em veículos que não precisam de remoção, fazer vistoria e serviços residenciais de encanador e eletricista na zona sul do Rio de Janeiro, em Santos, São José dos Campos e Campinas, localizadas no Estado de São Paulo, e em alguns bairros da capital. Em comum, todas essas localidades têm uma alta densidade demográfica e um grande déficit de vagas para estacionar os carros.

Confira algumas dicas para aproveitar mais as vantagens desse excelente exercício
● Antes de começar a praticar, passe por uma avaliação médica. O ciclismo tem poucas contraindicações; precavenha-se.
● Durante o dia, use protetor solar e, no verão, prefira as roupas capazes de barrar, ao menos parcialmente, os raios UV. As queimaduras são incômodos comuns que atingem os ciclistas de primeira viagem.
● Informe-se, em sites especializados e com outros ciclistas experientes, sobre como escolher a melhor bicicleta para as suas características físicas, pois há muitos modelos disponíveis no mercado. Se possível, consulte um educador físico com experiência em ciclismo outdoor ou um bike fitter (grandes bicicletarias, em geral, indicam bons nomes). Esses profissionais também podem ajudá-lo a regular a altura do selim com precisão. “Muitos ciclistas referem dormência dos órgãos genitais durante a prática. Mas isso só acontece devido ao mal posicionamento do selim, em geral, quando ele está mais para cima do que deveria”, alerta o educador físico Luiz Antonio Domingues Filho.
● Pedale com roupas adequadas para a prática de exercícios físicos, largas e que permitam a transpiração. Nos dias frios, agasalhe-se em camadas, tomando o cuidado de proteger as extremidades, como as mãos e os pés. “Se a distância for longa, sugiro levar uma muda de roupa extra. A dica também vale para os dias chuvosos”, indica Matias Migiranon Mickenhagen, diretor financeiro da Ciclocidade (Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo).
● Tenha sempre uma garrafinha de água a tiracolo, para manter-se hidratado.
● Não exceda os limites do seu corpo. Comece devagar, pedalando pequenas distâncias e, depois vá aumentando gradativamente até alcançar seu objetivo.
 

 

 

Agora se você não puder parar de usar o carro uma alternativa para você contribuir com um trânsito com menos fluxo e carros  é  por exemplo você  oferecer carona  ou fazer rodízio com outros pais para levar e buscar as crianças na escola são pequenas atitudes que podem refletir em grandes mudanças!

LEIA TAMBÉM:

Vai pra rua menino! Os beneficíos de brincar ao ar livre

10 Brincadeiras ao Ar livre para crianças menores de 1 ano – Parte I

10 Brincadeiras ao Ar livre para crianças menores de 1 ano – Parte II

Coisas que só acontecem na casa da vovó

 

É dia de feira

Qual o lugar que se pode aprender  sem perceber geografia, biologia,gastronomia,matemática e economia ? poucos responderiam a feira, pois é essa atividade do nosso cotidiano é uma ótima oportunidade de estimular essas aptidões nas crianças além é lógico poder explorar novos lugares.Prática  que atravessa séculos a feira é um local em ebulição,pessoas indo e vindo, aroma de frutas,verduras e temperos no ar ,cores que explodem em nossos olhos e muita e muita gritaria pois todos querem vender os seus produtos né? Além de tudo isso muitos ainda mantém uma ligação sentimental com o local como por exemplo:  as  amizades  com os donos de suas bancas favoritas.Mas nem todos vão a feira só pra comprar mas sim desfrutar das diversas comidinhas que estão disponíveis como o tradicionais pastéis e caldo-de-cana. Nas grandes cidades aos poucos esse hábito vem desaparecendo dando cada vez mais espaço aos supermercados que na teoria seria a mesma coisa mas sem a possibilidade de experimentar ,comparar e principalmente reclamar do produto diretamente ao dono do estabelecimento.

Se  para os adultos a feira desperta todos esses sentidos ,para as crianças a experiência ganha outra dimensão pois é uma ótima chance de aprender e aplicar o que se aprende na escola veja essas dicas:

  • Na feira livre são estimulados todos os sentidos : o cheiro das frutas, a textura das verduras,paladar ao experimentar alguma fruta, e a explosão de cores das frutas,verduras e etc;
  • Tem lugar mais oportuno para ensinar a economizar do que na feira? antes de ir a feira chame a criança para planejar realizando uma lista do que vai precisar comprar e de quanto tem disponível para gastar,além de ensinar desde cedo a pechinchar ;
  • Ensine a criança a avaliar o estado das frutas e verduras ajudando a distinguir as verdes da madura por exemplo;

  • Estimule as crianças a associação  do consumo das hortaliças e frutas através de algum benefício seja força,inteligência use como exemplo algum atleta,personagem ou super-heroi preferido da criança;
  • Mostre quais são os produtos regionais,os da estação ;
  • Ao chegar em casa peça auxílio da criança para lavá-las e armazená-las criar algum prato.Viu como é divertido ir na feira?

VEJA TAMBÉM:

Horta sensorial para crianças – Nem precisa ter quintal!

Novas dicas para hortas e jardins para crianças!

Como fazer um piquenique perfeito

Coisas que só acontecem na casa da vovó

10 Brincadeiras ao Ar livre para crianças menores de 1 ano – Parte II

Clube do Filme – As escolas no cinema

Num post anterior falamos o quanto o cinema e os filmes contribuem para a nossa formação ,apartir de hoje vão ser publicadas listas temáticas de alguns filmes para você realizar em casa essas sessões de cinema seguida de um debate. O tema escolhido hoje é o ambiente escolar  ,tema que rendeu inúmero filmes e em sua grande maioria abordando os conflitos nela existente. E na nossa lista tem de tudo filme antigo , Blockbuster,documentário é só escolher!

 

FILME: Ao Mestre com Carinho, dirigido por James Clavell, com Sidney Poitier, 1967.

A HISTÓRIA: Mark Thackeray (Sidney Poitier) é um engenheiro desempregado que resolve dar aulas no bairro operário de East End, em Londres. Mas a turma, cheia de alunos indisciplinados, fará de tudo para que ele desista da sua missão, como fez com os professores anteriores

POR QUE VER: Retrata a história de um professor que, ensinando sob condições adversas (alunos desinteressados, agressivos, com pouca orientação familiar e sem perspectivas de enxergar a educação como espaço de aprendizado), consegue obter resultados importantes junto aos estudantes.

 

FILME:  Sociedade dos Poetas Mortos, dirigido por Peter Weir, com Robin Williams e Ethan Hawke, 1989.

A HISTÓRIA: No final dos anos 50, ex-aluno (Robin Williams) de uma conservadora escola preparatória se torna o novo professor de literatura da instituição. Entretanto, os métodos de incentivar os alunos a pensarem por si mesmos criam um choque com a ortodoxa direção do colégio.

POR QUE VER: É importante para a conscientização de que sempre é tempo de mudança. As portas se abrem quando somos estimulados e encorajados. É papel do professor e da família  caminhar lado a lado ao seu aluno, estimulá-lo, e levá-lo a busca dos próprios ideais

 

 

FILME :O Sorriso de Monalisa (Mona Lisa Smile, 2003, EUA, direção: Mike Newell, 125 min., drama, classificação indicativa: 12 anos)

A HISTÓRIA: Julia Roberts vive a professora de História da Arte Katharine Watson, que quer romper os ideais machistas da sociedade americana da década de 50. Mas ela se depara com a resistência das próprias alunas ao ingressar no corpo docente do Colégio Wellesley. A instituição é famosa por preparar jovens para a vida matrimonial e de dona de casa. Mesmo assim, Katharine decide ir contra as normas para mostrar às estudantes que elas são capazes de enfrentar os desafios da vida adulta sem estar, necessariamente, à sombra de um homem.

POR QUE ASSISTIR : o determinismo da sociedade machista dos anos 50 era reforçado pelo determinismo educacional, em que todo o conteúdo da formação é levado às alunas por meio da escola. Quando este determinismo é rompido por uma professora, a célula formativa fica desestruturada e levanta contradições a respeito de valores e objetivos da sociedade da época. Será que este modelo social se extinguiu atualmente, num mundo lotado de celebridades (instantâneas ou não), socialites, reality shows etc?

 

FILME : Pro Dia Nascer Feliz (2006, Brasil, direção João Jardim, 88 min., documentário, classificação indicativa: livre)
A HISTÓRIA O documentário mostra os principais problemas que os jovens brasileiros enfrentam na escola: precariedade, preconceito, violência e abandono. Adolescentes de três estados e de classes sociais diferentes conduzem a narrativa ao contarem suas frustrações no ensino.
POR QUE ASSISTIR :O  filme é uma boa pedida para o aprendizado de jovens sobre os abismos existentes no nosso sistema educacional, pois trata de maneira bastante elaborada diversos elementos presentes nas escolas brasileiras. Acreditando que a escola é um microcosmo, o documentário discute a importância de refletirmos sobre as desigualdades e profundas diferenças existentes nas escolas brasileiras (e no próprio Brasil), especialmente nos estados de Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.

 

FILME: Elefante (Elephant, 2003, EUA, direção: Gus Van Sant, 81 min., drama)

A HISTÓRIA: O filme faz referência à tragédia ocorrida no estado norte-americano do Colorado, em 1999, quando dois alunos invadiram a escola onde estudavam e atiraram contra colegas e professores. A história se passa na cidade de Portland, mas se baseia no caso que virou notícia no mundo todo. Nele, dois jovens planejam o crime e conseguem comprar armas semi-automáticas para colocar o plano em prática.

POR QUE ASSISTIR :A necessidade de se explicar uma tragédia é quase que imediata no ser humano e este filme é um exemplo disso. Porém, quando a tragédia parte da cabeça das pessoas, as causas, às vezes são inescrutáveis. Albert Camus já dizia, em o Mito de Sísifo, que “só existe um problema filosófico realmente sério: o suicídio”, o resto é secundário. E quando se tenta descobrir o que leva 2 adolescentes a assassinar 13 pessoas e se matarem sem um registro feito por eles sobre isso, cada um tem sua conclusão e essa é a grande discussão que este filme gera, encaminhando a família para um debate a respeito do sentimento que crianças e jovens nutrem pelo ambiente escolar e seus atores.

 

 FILME: Legalmente Loira, dirigido por Robert Luketic, com Reese Whiterspoon e Luke Wilson, 2001.

A HISTÓRIA: Poucas pessoas no mundo têm os mesmos privilégios que Elle Woods (Reese Whiterspoon). Ela é linda, loira natural, tem muito dinheiro e namora o garoto mais desejado do colégio. Porém, quando ele vai estudar direito em Harvard e se encanta por uma arrogante colega de classe, dispensa Elle por considerá-la fútil. Inconformada com a situação, a patricinha decide ingressar na mesma universidade e provar a todos sua capacidade.

POR QUE VER: Fala do peso que os estereótipos impostos pela sociedade assumem na vida de uma garota. Ela cursa Direito e se sai superbem, sendo que ninguém apostava nela. Se o professor  e as pessoas não acreditarem  no potencial do aluno, o desejo dele esbarra na falta de motivação.

FILME: Escola do Rock, dirigido por Richard Linklater, com Jack Black e Joan Cusack, 2003.

A HISTÓRIA: Um roqueiro (Jack Black) foi demitido da própria banda e tenta trabalhar como professor de música numa rígida escola particular. Lá, desperta nos estudantes interesse por diversos instrumentos e eles decidem montar uma grande banda sem que os pais saibam.

POR QUE VER: A motivação criada pelo professor desperta habilidades e produz resultados fantásticos na aprendizagem. Uma lição valiosa para os educadores carentes de criatividade.

 

REFERÊNCIAS:

Educar para Crescer

LEIA TAMBÉM:

Clube do filme

CineMaterna

Cinema: 31 minutos – O filme

Pipoca colorida!

 

Porque meninas vestem rosa e meninos vestem azul?

Não é raro encontrar uma menina que ama a cor rosa tanto que ela queira usar apenas roupas  , pintar o quarto e brincar com  brinquedos e objetos desta cor .Seja no Brasil, Estados Unidos ou Coréia do Sul este fenômeno é muito comum entre as crianças de vários grupos étnicos, independentemente de suas origens culturais isto   influência de propagandas comerciais globais  destinadas a meninas e seus pais, como por exemplo a Barbie universalmente popular e produtos  da Hello Kitty que se tornou uma tendência moderna,condicionando o  subconsciente e inconsciente de meninas e meninos  em um universos maniqueísta: O azul e O rosa.


Mas nem sempre foi assim(como muitos hábitos que parecem já vieram prontas para ao mundo mas pelo contrário foram criados por algum interesse ) a cor rosa inicialmente  era uma cor associada à masculinidade, considerado um aguado vermelho e tinha o poder associado com essa cor( a cor vermelha tem os seguinte valores a ela atribuídas: dinamismo, força, baixeza, energia, revolta, movimento, barbarismo, coragem, furor, esplendor, intensidade, paixão. Sendo o rosa derivado desses mesmos valores). Em 1914, The  Sunday Sentinel , um jornal americano, aconselhou as mães a “usar rosa para o menino e azul para a menina, se você é um seguidor de convenção.” A mudança de cor de rosa para as meninas e azul para os meninos aconteceram na América e em outros lugares somente após a Segunda Guerra Mundial. Como a sociedade moderna entrou exaustão política no  século XX , o conceito de igualdade de gênero emergiram e, como resultado, reverteu a perspectiva sobre as cores associadas a cada um dos sexos, bem como as ligações superficiais que a elas associadas. Hoje, com os efeitos da publicidade sobre as preferências do consumidor, esses costumes de cor são um padrão mundial.
Os objetos rosa que preenchem as  imagens das meninas e seus acessórios revelam uma expressão penetrante e culturalmente manipulada de feminilidade e um desejo de ser visto sendo   o mesmo o que acontece com os meninos em relação a representação da masculinidade através da cor azul.


Isto também reflete nas diferenças entre os objetos  de  meninos e  objetos de meninas  que  estão divididos e afetam o seu pensamento e padrões de comportamento. Muitos brinquedos e livros para as meninas são rosa, roxo ou vermelho, e estão relacionadas a tornar-se, vestir-se, cozinhar, e assuntos domésticos. No entanto, a maioria dos brinquedos e livros para os meninos são feitos de diferentes tons de azul e  estão relacionadas com robôs, ciência, indústria, dinossauros, etc .Este é um fenômeno tão intenso como a mania de Barbie. Sendo estes tipos de diretrizes divididas para os dois sexos que afetam profundamente identificação das crianças do grupo de gênero e de aprendizagem social,e a consequência disto podemos ver mais tarde por exemplo   nas universidades onde homens são maioria nas ciências exatas engenharia,física,bioquimíca etc ( O construir ,raciocínio lógico omo valores masculinos)e as mulheres nos cursos de humanas :letras,pedagogia,psicologia etc (o cuidar , O ensinar como valor feminino).

As meninas e meninos crescem, e eles não vai ser tão obcecado com a cor rosa ou azul ,no entanto, a associação original com o código de cores, muitas vezes permanece. Os condicionando a um mundo dividido (e retrográdo) ao invés de compartilhar um universo de experiências ( e cores) que os fariam crescer individualmente e preincipalmente coletivamente ,onde um brinquedo não seria classificado como de menino ou menina mas apenas um brinquedo.

LEIA TAMBÉM:

Roupas descoladas para crianaças – Dicas para dar adeus a mesmice da moda infantil!